Cuidar do corpo é cuidar da alma

Não sei se por comodismo, preconceito ou falta de uma percepção mais clara, sentimos um imenso orgulho da nossa ignorância. E, apegada a ela, deixamos de buscar o equilíbrio necessário à nossa vida. Por que estou dizendo isso? Porque também eu já na armadilha de achar que desprezar os cuidados com o corpo me faria um ser humano mais inteligente e evoluído.

Todo mundo conhece alguém assim. A pessoa que se vangloria dos litros de café que toma, do cigarro aceso e da suposta aura de boemia de quem passa as noites em claro lendo alta literatura e filmes existenciais. O inverso também ocorre: aqueles que celebram o culto ao corpo em demasia enquanto perdem experiências maravilhosas que a vida intelectual pode proporcionar.

Como fugir disso? A palavra aqui, como em tudo na vida, é equilíbrio. Se quero cuidar de mim para estar saudável e agir bem no mundo, não posso concentrar todos os meus esforços apenas em um aspecto do meu ser. Tudo que em nós requer cuidados constantes - sentimentos, relacionamentos, saúde e intelectualidade.

Corpo como reflexo da alma

Hoje sei que o corpo é um reflexo nítido da nossa alma. Esta concepção, há milhares de anos aceita no Yoga, encontra hoje uma grande ressonância em diferentes linhas terapêuticas e espirituais. O professor Hermógenes, no livro Yoga para Nervosos, disse que nada se passa no corpo sem que a mente acuse. Jean-Yves Leloup, autor de O Corpo e seus Símbolos - Uma Antropologia Essencial, disse que “não há lei de causa e efeito, mas há uma ressonância, uma sincronicidade entre o nosso corpo físico e o nosso corpo de memórias.”

Em um esforço de trazer uma síntese dessa ideia, Leloup nos mostrou a conexão entre o corpo e a raiz dos problemas que nos afligem. Seria o nosso “corpo de memória”, onde bloqueios, nós e doenças podem revelar dificuldades que enfrentamentos em etapas da nossa vida.

Ainda em outro caminho diverso do Yoga, o médico Dimas Calegari tem trabalhado na Terapia Energética Corporal. Esta técnica tem como eixo a conexão entre energia, vida e consciência. Por meio dela o terapeuta estimula a falar sobre o que é sentido naquele exato momento e, na sequência, o corpo é trabalhado de forma a liberar as emoções, sentimentos e crenças.

Bloqueios

O bloqueio dos nossos anéis (visual, oral, cervical, peitoral, diafragmático, abdominal e pélvico, no divisão do médico) geram sintomas que aparecem como queixas físicas, emocionais e mentais. O bloqueio do anel visual, por exemplo, pode trazer falta de concentração, falhas de memória, desorganização temporal e espacial e confusão mental.

O paralelo que fazemos com o Yoga é incrível. A jornada da nossa alma em direção à iluminação pode ter o nosso corpo como principal veículo. Por isso é tão importante melhorar a maneira com que nos sentimos dentro do nosso próprio corpo - tornando-o forte, mais saudável, vital e sem bloqueios. O reflexo será sentido diretamente na nossa alma.

Mergulhar nesses ensinamentos nos permitiu ter uma maior consciência corporal e, consequentemente, um maior alinhamento entre o corpo, a mente e a alma. Ao mesmo tempo ficou claro o espírito democrático do yoga, que está muito longe de se basear apenas em posturas difíceis de serem praticadas.

Portanto, libertem-se das amarras! Cuidar de si em todos os aspectos é sinal de amor próprio e de respeito a quem convive com você.

Foto: Haeruman | pixabay

Comentários

Inspire-se